domingo, 15 de janeiro de 2012

Poeminha.

E quando ele chegou, o meu amor digo, me disse:
Decifra-me ou te devoro.
Eu, por incapacidade mesmo, não decifrei-o e devorada fui.
Nada sou agora do que a ideia de algo que foi consumida por um algo maior.

2 comentários: